Data de Prioridade

September 13, 2018

Para compreendermos a expressão “data de prioridade” temos que nos remeter aos tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

 

Em matéria de patentes, os dois principais tratados internacionais que discorrem à respeito de uma data de prioridade são a Convenção da União de Paris (CUP) e o tratado TRIPs.

 

A Convenção da União de Paris, criada ainda no século XIX, foi a primeira tentativa internacional de conciliar os diversos sistemas jurídicos nacionais em benefício da do conceito comum de Propriedade Industrial. estipula uma legislação internacional sobre a propriedade industrial. A CUP estabelece e regula alguns princípios básicos tais como o Tratamento Nacional, a Prioridade Unionista e a Territorialidade.

 

Em 1995, ocorreu o Acordo de Marrakesh, no qual foi criada a Organização Mundial do Comércio, OMC. Este acordo possui um anexo conhecido como Acordo sobre os Direitos de Propriedade intelectual Relacionados ao Comércio, O TRIPs (Agreement on Trade-Related Aspects on Intellectual Property Rights). O TRIPs, do qual o Brasil é signatário, adota os princípios básicos já estabelecidos pela CUP.

 

A Prioridade Unionista, contida no art. 4 da CUP, estabelece que aquele que deposite um pedido de patente em um país membro da União tem prioridade para reivindicar proteção para a mesma invenção cujo depósito de pedido de patente venha a ocorrer posteriormente em qualquer outro país signatário da CUP ou TRIPs, desde que tal pedido de patente aconteça no prazo de 12 meses, os quais devem ser contados a partir do primeiro depósito.

 

Artigo 16 da Lei de Propriedade Industrial brasileira:

 

“art. 16 Ao pedido de patente depositado em país que mantenha acordo com o Brasil, ou em organização internacional, que produza efeito de depósito nacional, será assegurado direito de prioridade, nos prazos estabelecidos no acordo, não sendo o depósito invalidado nem prejudicado por fatos ocorridos nesses prazos.”

 

Na prática, a regra funciona da seguinte maneira; imaginemos que Carlos deposite um pedido de patente no Brasil, que é signatário da CUP/TRIPs e, para aumentar a proteção para sua invenção em termos territoriais, também decida depositar nos próximos 12 meses um pedido nos Estados Unidos, que também é membro da Convenção da União de Paris. Agora, imaginemos que John deposite um pedido de patente, sobre a mesma matéria, nos Estados Unidos. Este pedido de patente deverá ter sua novidade confrontada com aquela revelada no depósito brasileiro de Carlos, mesmo que o depósito da invenção de Carlos nos Estados Unidos tenha ocorrido em data posterior à data do depósito de pedido de patente de John.  

 

Assim, a data de prioridade determina que, para fins de aferição de novidade para patentes, deve-se considerar a data do primeiro depósito de uma mesma invenção, quando esta produz pedidos em diversos países membros da CUP em datas diferentes.

 

Uma fato interessante é que toda decisão tomada no âmbito da Organização Mundial do Comércio deve ser ratificada nos respectivos parlamentos dos países para que, em cada um deles, entre em vigor. O Brasil é um membro pleno da OMC.

 

O acordo TRIPs foi ratificado pelo Brasil em 1994, no decreto 1355/1994, sendo que tal evento produziu alterações posteriores de nossa Lei de Propriedade Industrial, 9279/1996, Lei de Cultivares, 9456/1997, de Programa de Computador, Lei 9609/1998 e de Direitos Autorais e Conexos, Lei 9610/1998.

 

 

 

 

Please reload

Our Recent Posts

O uso de cepas microbianas é profundamente difundido nas práticas dos seres humanos. Na miríade de narrativas e práticas que povoam o que chamamos de...

Patentes Microbiológicas: uma exceção na Lei de Propriedade Industrial

April 22, 2020

Trabalhos de conclusão de curso em engenharia podem ser patenteados?

February 19, 2020

Medicamentos Homeopáticos são patenteáveis no Brasil?

December 23, 2019

1/1
Please reload

Tags

Please reload

11 995111782

São Paulo, Brasil

©2018 by arimagalhaes