Registro de software

August 8, 2019

É realmente necessário registrar um software no INPI?

 

Programas de computador, diferentemente dos desenhos industriais, das marcas e das patentes, compartilham de um regime de proteção peculiar.

 

Os demais itens citados no paragrafo acima são institutos compreendidos pela esfera da propriedade industrial. O software, por outro lado, está compreendido em um regime de proteção peculiar atrelado ao direito autoral. E por que é importante saber disso? Porque os elementos compreendidos pelo direito autoral já nascem cobertos de direito e independem de uma autarquia federal que lhes confira um selo de concessão para que esses direitos entrem em vigor. (existe uma exceção à regra, que consiste nas patentes de software)

 

Como assim? Para ter o enforcement de uma marca ou patente é preciso que o INPI conceda o registro da marca ou conceda a patente de invenção. Por outro lado, para ter direitos sobre uma letra de música, sobre o texto de um livro ou sobre o código fonte de um software não é necessário um exame formal do INPI. Essas obras já nascem gozando de proteção intelectual.

 

Então, QUAL A RAZÃO DO INPI COBRAR pelo registro do software? Para que serve esse registro, afinal?

 

Esse registro é apenas um meio probatório, que atesta que o programador em determinado dia esteve no INPI e apresentou um CD-ROM com um determinado código fonte a esta autarquia. O INPI sequer avalia o conteúdo desse código. O titular, se tiver interesse, pode até ocultar trechos do código fonte para tornar impossível a usurpação desse material.

 

Em outras palavras, se João trabalha na empresa X; João tem acesso aos códigos fonte elaborados nessa empresa; durante um período de desenvolvimento de um app na empresa X, João espeta um pen-drive no HD do computador da emprese e vai ao INPI com esse código obter um registro em seu nome; isso em tese não atribui a posse desse software a João. 

 

A qualquer momento, a empresa poderá alegar em juízo que o dito software era seu, comprovando através do contrato de trabalho de João e da troca de emails com esse profissional que João não tem qualquer direito sobre esse elemento.

 

Ok, mas existe alguma utilidade nesse registro? Como meio probatório de data apenas. E diga-se de passagem, como um dos diversos meios probatório de data disponíveis atualmente.

 

 

Primeiro vamos definir aqui o que é meio probatório de data:

 

É mais fácil entender para que serve o meio probatório de data do que o que é o dito meio. Portanto, segue um exemplo ilustrativo de uma situação na qual ele poderá ser utilizado.

 

O Meio probatório de data pode ser utilizado na seguinte situação: Maria mora em Alagoas e criou no ano 2000 o primeiro software de monitoramento de carga com uma arquitetura X-Y-Z; Marta mora em São Paulo, nunca viu Maria antes, e acredita ter criado o mesmo software com a mesma arquitetura e código fonte no ano 2002; em 2005, Marta notifica Maria informando-a de que Marta detém o software original e Maria deve cessar a utilização de sua cópia não autorizada; Maria então contra-notifica Marta informando-a de que tem prova de criação anterior a 2002 e como sua criação é anterior, não existiu possibilidade de infração nesse caso.

 

Quais os outros meios probatórios de data que o programador pode utilizar além do registro no software INPI? (i.e. quais os meios alternativos ao INPI para o registro de software?)

 

1 - Cartório de registro de notas: apresentar o código fonte em versão legível em um CD-ROM a um cartório de registro de notas e obter um selo informando que aquele CD foi apresentado em tal dia a um determinado tabelião. Caso o cartório em questão não aceite o referido CD-ROM, apresentar centenas de página de código fonte impressos em letra pequena sobre papel A4 em envelope selado. Como o tabelião tem fé pública, em tese, sua opinião tem o mesmo respaldo que o selo do INPI para um registro de software.

 

2 - Grave o CD-ROM com o código-fonte em versão legível e insira esse CD em um envelope de papel. Sele o envelope e envie esse material pelo correio, tendo como destinatário de entrega a sua própria residência.  No envelope que receber haverá uma data de envio, um selo postal e um carimbo dos correios. Só abra o envelope sobre determinação judicial.

 

3 - Envie um email a si mesmo com uma cópia do referido código. Ao receber o email enviado o servidor do seu host de serviço de email irá registrar a data de envio.

 

4 - Elabore um documento pdf que contenha o código fonte em versão legível ao olho humano. Os documentos pdf gravam a data de sua criação.

 

Foto de capa por Chris Ried on Unsplash

 

 

 

+ ebooks 

 

Please reload

Our Recent Posts

O uso de cepas microbianas é profundamente difundido nas práticas dos seres humanos. Na miríade de narrativas e práticas que povoam o que chamamos de...

Patentes Microbiológicas: uma exceção na Lei de Propriedade Industrial

April 22, 2020

Trabalhos de conclusão de curso em engenharia podem ser patenteados?

February 19, 2020

Medicamentos Homeopáticos são patenteáveis no Brasil?

December 23, 2019

1/1
Please reload

Tags

Please reload

11 995111782

São Paulo, Brasil

©2018 by arimagalhaes